My Best Hotel
Hoteis Turismo Rural Alojamento Local Hostels Campismo Atividades Restaurantes A Visitar Promoções

Ofertas Especiais

Locais a visitar » Os Melhores PASSADIÇOS em Portugal

Os Melhores PASSADIÇOS em Portugal

Depois da construção dos Passadiços do Paiva, em 2015, este conceito de turismo que mistura atividade física com aventura e natureza tornou-se popular. Atraindo cada vez mais pessoas, o número de passadiços em Portugal, de Norte a Sul, foi multiplicando. As paisagens que envolvem estes percursos pedonais podem ser muito distintas – praias, rios, ribeiras, cascatas, floresta – mas o objetivo é sempre o mesmo: apreciar a natureza enquanto exercita ao seu ritmo. Conheça aqui os melhores passadiços em Portugal

PASSADIÇOS DO SISTELO

É um segredo fantástico do nosso País, e está a transformar-se num dos destinos mais populares. O Passadiço do Sistelo é um percurso com cerca de dez quilómetros, integrado na Ecovia do Vez e passa pela aldeia conhecida, pelo Tibete Português, graças aos seus socalcos construídos para aproveitamento inteligente da água e do pouco solo arável. A aldeia do Sistelo, eleita uma das 7 Maravilhas de Portugal, faz parte da Reserva Mundial da Biosfera e é candidata a património mundial da UNESCO.

O percurso do Passadiço, da Ponte de Vilela até à aldeia de Sistelo (ou em sentido inverso), é conhecido por quem gosta de fazer caminhadas, mas continua a ser um segredo para a maioria dos portugueses. Num total de 10.266 metros para cada lado, ao longo de carreiros pelas margens do rio, o percurso dura três a quatro horas e é considerado um trajeto de dificuldade média, com algumas subidas e descidas acentuadas. Pode fazer a pé, a correr ou de bicicleta.

Há três possíveis paragens para tomar banho em lagoas do rio Vez.
Uma paisagem incrivel, a perfeita harmonia entre trilhos, natureza e interação humana, num cenério idilico e encantandor!

Localização: Sistelo - Arcos de Valdevez
Distância: 10,2 km
Dificuldade Técnica: Moderado
Local de Partida: Ponte Medieval de Vilela

 

PASSADIÇOS DO GRESSO

Podem ter uma extensão de apenas 1,5 km, mas a beleza destes passadiços não deixa ninguém indiferente. A partir de Sanfins, na freguesia de Rocas de Vouga, o passadiço circular acompanha o rio Gresso, com origem na serra do Arestal, a quase 800 metros de altitude.

O desnível do percurso proporciona muitas cascatas e quedas de água que tornam estes passadiços ainda mais especiais. Ao longo de quatro pontes e algumas escadas em madeira estará sempre protegido pela sombra do arvoredo da montanha e refrescado pela água que cai pela serra abaixo.

É evidente a biodiversidade existente nas margens do rio, alimentada pela água em abundância. Vai avistar, ainda, as quedas de água do rio que deu nome a uma marca de lacticínios. A fábrica que mais tarde passou a adotar a marca comercial Gresso foi instalada em Sanfins. No verão, o rio Gresso é procurado para a prática de caminhadas aquáticas, direcionadas para aqueles que gostam de acrescentar uma dose de aventura às suas caminhadas, passando por pequenas cascatas e quedas de água.

Os Passadiços do Gresso, à descoberta de um cenário ímpar.

Localização: Sanfins, Rocas de Vouga
Distância: 1,5 km
Dificuldade Técnica: Moderado

 

PASSADIÇOS DE VILA DO CONDE

Este percurso faz-se sempre acompanhado pelo cheiro a mar e pelo som das ondas. Os passadiços percorrem a orla costeira de Vila do Conde, a partir da margem esquerda da foz do rio Ave, e estendem-se até ao Cabo do Mundo, já no concelho de Matosinhos.

Sempre junto à costa, a ecovia começa na Azurara, na margem sul de Vila do Conde, e atravessa Árvore, Mindelo e a sua reserva ornitológica, a primeira área protegida criada em Portugal, onde podem ser observadas mais de 150 espécies de aves, mas também anfíbios, répteis e pequenos mamíferos, pela povoação piscatória de Vila Chã e Labruge, onde está o Castro de S. Paio, um dos pontos mais bonitos do passadiço, com um centro de interpretação para contar a história deste povoado da Idade do Ferro, implantado nas escarpas, e falar do património natural e geológico.

O percurso continua pelas frágeis dunas passando por praias, lagoas, falésias e ruínas, onde o tempo ainda se mostra propício a banhos, pesca desportiva e surf.

Localização: Vila do Conde
Distância: 8,6 km 
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida/Chegada: Azurara / Labruge

 

PASSADIÇOS DE AVEIRO

Uma das maiores atrações de Aveiro é sem dúvida a Ria e uma das formas mais espetaculares de explorar esta zona é percorrendo os passadiços. Este percurso de 7,5 km liga o Cais de São Roque, no centro da cidade, até Vilarinho, junto ao rio Vouga. Contudo, a estrutura de madeira apenas começa no Cais da Ribeira da Esgueira, e é a partir deste lugar que surge a paisagem do Baixo Vouga Lagunar, com as salinas e lodaçais.

Este é também um sítio privilegiado para observar aves, uma vez que passam por aqui mais de 20 mil espécies migratórias durante o inverno. Num percurso plano e sem grande dificuldade, atravesse sapais, pequenos bosques e pinhais, e descubra a fauna e flora que mostra um outro panorama do sistema lagunar de Aveiro e da rica biodiversidade que ali habita.

Localização: Aveiro
Distância: 7,5 km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida/Chegada: Cais de São Roque / Aldeia de Vilarinho

 

PASSADIÇOS DE ESMORIZ

Os passadiços que ligam a Barrinha de Esmoriz à Lagoa de Paramos são o lugar ideal para apreciar esta área protegida de 400 hectares. Sempre com as dunas e o mar no horizonte, este é um sítio privilegiado para os amantes da natureza, pois poderão observar as mais de 100 espécies de aves que aqui nidificam, entre as quais a garça-vermelha, para além da existência de outros vertebrados como rãs, enguias, ginetas ou morcegos.

Situada entre os concelhos de Espinho e Ovar, a Barrinha de Esmoriz/ Lagoa de Paramos é uma rara lagoa costeira de média dimensão, única no seu género ao longo da costa norte de Portugal. Circundada por vegetação palustre e arbórea e habitada por inúmeras aves que constituem o grupo faunístico mais representativo da Barrinha em termos de diversidade e de importância conservacionista. Reconhecida a sua importância como IBA – Important Bird Area, integra a Rede Natura 2000.

A requalificação da Barrinha de Esmoriz deu origem a um belo passadiço, com cerca de 6 km, que o leva a descobrir os encantos desta zona. Ao longo do percurso vai encontrar placas informativas sobre este património natural e cultural. A lagoa costeira de águas salobras é o elemento principal desta caminhada e a ponte que a atravessa é o cenário perfeito para uma fotografia.

Localização: Esmoriz / Ovar
Distância: 8 km
Dificuldade Técnica: Baixa

 

PASSADIÇOS DE FIÃES

No distrito de Aveiro, não muito longe de Santa Maria da Feira, fica o Passadiço de Fiães. Ao contrário de outros passadiços, este percurso é de apenas quatro quilómetros e que se faz em pouco mais de uma hora, entre as freguesias de Fiães e Corga do Lobão. Segue pela margem do Rio Uíma. É ideal para caminhadas em família e passeios de bicicleta e os amantes de observação de aves têm uma torre para apreciar a fauna voadora.

Com uma vegetação exuberante e inserido numa zona pantanosa, povoado por amieiros, salgueiros e sabugueiros o Passadiço de Fiães, nas margens do Rio Uíma, não é apenas uma experiência relaxante com belas vistas sobre a região: é também uma forma de ficar a conhecer a fauna e flora desta região tão particular, entre canais de água e campos de regadio.

Parte integrante do Parque das Ribeiras, em Fiães, estes passadiços caracterizam-se pela beleza da paisagem circundante. Parque com acessibilidade para pessoas de mobilidade reduzida e deficiências visuais, ao longo dos percursos encontrará painéis informativos sobre a flora e fauna existente no local.

Localização: Parque das Ribeiras - Fiães - Sta Maria da Feira
Distância: 4 km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida: Parque das Ribeiras

 

ECOVIA DO LITORAL NORTE

Percurso pedonal e ciclável de 73 km, que há de ligar Vilar de Mouros, em Caminha, à Praia da Ramalha, em Esposende, estão concluídos cerca de 37 quilómetros. A maioria, junto à orla costeira, como os que partem de Vila Praia de Âncora em direção a norte, com o Forte da Ínsua e o areal de Moledo no horizonte. Em Esposende, no troço entre as praias de Suave Mar e de Rio de Moinhos, ou em Viana do Castelo, entre as praias do Rodanho e do Cabedelo, caminha-se por passadiços de madeira, com paisagens de tirar o fôlego. 

Localização: Caminha / Esposende
Distância: 73 km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: De Vilar de Mouros à Praia da Ramalha

 

PASSADIÇOS VIVER O DOURO

Na margem esquerda do rio Douro, estão concluídos cerca de 7 km do Viver o Douro, um percurso pedonal com 10,7 km, que nem sempre se faz em passadiços de madeira. O primeiro troço, com 1,6 km, começa na praia fluvial do Choupal, em Pedorido. O segundo, com 5,3 km, vai do cais situado na aldeia de Midões até Raiva. Os painéis informativos sobre a tradição vinhateira do Douro e miradouros semelhantes a barcos rabelos complementam o passeio.

Ao longo da margem sul do rio Douro, num trajeto que inclui passadiços de madeira, trilhos de terra batida e pontes. Antigos moinhos, as aldeias de xisto de Gondarém e Midões, e miradouros com a forma de barcos rabelos constituem apenas alguns dos motivos de interesse...

Localização: Praia do Choupal das Concas
Distância: 10,7 km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida/Chegada: Pedorido (Praia Fluvial) / Santa Maria de Sardoura

PASSADIÇOS DO PAIVA

São os mais conhecidos e premiados passadiços em Portugal, atraindo por isso milhares de pessoas todos os anos. Os Passadiços do Paiva localizam-se na margem esquerda do Rio Paiva, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. São 8 km que proporcionam um passeio "intocado", rodeado de paisagens de beleza ímpar, num autêntico santuário natural, junto a descidas de águas bravas, para aventureiros do rafting e do kayak, cristais de quartzo e espécies em extinção na Europa.

O percurso estende-se entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, encontrando-se, entre as duas, o pequeno paraíso da zona de recreio e lazer, a praia do Vau. Uma viagem pela biologia, geologia e arqueologia que ficará, com certeza, no coração, na alma e na mente de qualquer apaixonado pela natureza. São os oito quilómetros de uma vida, acredite.

É também aqui que está a ser construída a maior ponte pedonal suspensa do Mundo, que atrairá com certeza ainda mais turistas. No entanto, os passadiços têm um limite máximo diário de 2000 visitantes. Por isso, aconselhamos a comprar o bilhete online que custa 2 euros. Se comprar no próprio dia da visita irá pagar 4 euros.

Além dos Passadiços do Paiva, o Arouca Geopark — reconhecido pela UNESCO como Património Geológico da Humanidade — confere-te a possibilidade de visitares diversas aldeias tradicionais, estações de biodiversidade, uma rota de geossítios, museus e unidades interpretativas.

Localização: Arouca
Distância: 8 km
Dificuldade Técnica: Alto
Local de Partida / Chegada: Areinho / Espiunca

 

PASSADIÇOS DA FOZ DO ARELHO

O Passadiço da Foz do Arelho fica mesmo em frente ao mar, junto às arribas costeiras que se estendem desde S. Martinho do Porto até Peniche. Em dias limpos, a visibilidade é muito ampla e conseguem avistar-se as ilhas das Berlengas.

Construído nas arribas da Foz do Arelho, este passadiço tem a localização perfeita para contemplar o mar. Trata-se de uma extensão de 800 metros, que primam pela sua beleza e originalidade. O percurso começa no miradouro da Foz do Arelho e segue em direção às Quebradas das Pedras da Aberta, num caminho de subidas e descidas pela encosta. Destacamos os sete miradouros que vai encontrar ao longo do percurso com bancos giratórios para ter uma vista de 360º sobre o mar.

Localização: Foz do Arelho - Caldas da Rainha
Distância: 800 mts
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida: Miradouro Foz do Arelho

 

PASSADIÇO OSSO DA BALEIA 

Na região centro, em Pombal, vais encontrar o Passadiço do Osso da Baleia. Ao contrário dos outros dois locais mencionados em cima, aqui vais dar por ti numa praia com o Atlântico à tua frente. A praia tem o mesmo nome do passadiço que, ao longo da zona dunar, permite observar a vegetação envolvente.

Para matar tua curiosidade — sim, sabemos que estás a pensar no nome do passadiço e da praia — aqui vai a explicação de origem popular: no início do século XX, terá aparecido, neste areal, um esqueleto de baleia. O facto foi testemunhado pelos locais, que batizaram a zona com aquele nome. E ficou Passadiço do Osso da Baleia.

O caminho tem início na Praia do Osso da Baleia, basta seguir as inúmeras indicações espalhadas pela zona de Pombal. Para preservar as dunas e a vegetação envolvente, foram criados os passadiços de madeira que permitem caminhar pela zona sem o risco de arruinar a natureza.

Além de caminhar, correr ou fazer BTT, pode aproveitar para dar uns mergulhos nas águas mais ou menos agitadas, se tiver coragem. Esta praia tem bandeira azul e nos últimos anos sofreu alterações significativas de acessibilidade.

Localização: Pombal
Distância: 2 km
Dificuldade Técnica: Baixo
Local de Partida / Chegada: Praia Osso da Baleia

 

PASSADIÇOS DO ALAMAL

O Passadiço do Alamal, em Gavião, Portalegre, estende-se na margem sul do Tejo, ao longo de 2 km. O percurso é rico no que respeita à fauna e flora: os patos são uma companhia habitual, assim como as cegonhas, e o caminho pede momentos de descanso à sombra dos sobreiros e videiras. Com um total de 4 quilómetros, é o ideal para um passeio em família, já que não tem a exigência dos percursos deste género em montanha. O passadiço termina junto à ponte de Belver.

Calce os ténis, prepare a mochila, aventure-se pela paisagem e observe a riqueza do cenário envolvente, com patos, cegonhas e várias espécies de plantas autóctones que ajudam a refrescar o caminho, como é o caso dos sobreiros e das videiras que partilham o espaço com passifloras, espargos e amieiros. Em pano de fundo, o Castelo de Belver acompanha o passeio e convida a momentos de contemplação embalados pelo curso do rio.

O percurso faz-se entre a praia fluvial do Alamal e a ponte de Belver.

Localização: Gavião
Distância: 2 Km (4 ida e volta)
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Praia Fluvial do Alamal

 

PASSADIÇO DO PENEDO FURADO

A Praia Fluvial do Penedo Furado é um dos locais mais procurados pelos muitos turistas que anualmente visitam o Concelho de Vila de Rei. A sua água límpida e cristalina, que lentamente vai percorrendo o seu leito através da passagem natural na rocha, as características únicas do maciço rochoso e as fantásticas quedas de água fazem deste local um autêntico paraíso.

Para permitir um melhor acesso entre a Praia Fluvial do Penedo Furado e a zona das quedas de água, o Município de Vila de Rei decidiu avançar com a criação dos Passadiços do Penedo Furado. Estes percorrem uma distância de 532 metros lineares e incluem uma ponte no final do percurso e plataformas para zonas de descanso, com bancos e miradouros.

Esta nova infraestrutura vem permitir que este percurso possa ser feito de um modo mais rápido, seguro e acessível, beneficiando os milhares de pessoas que visitam o espaço. O espaço envolvente é apresenta igualmente locais de rara beleza, com a existência, na zona mais elevada, de um rochedo gigantesco com uma enorme abertura de feitio afunilado, que dá nome à praia. Aí foi criado o Miradouro do Penedo Furado, de onde é possível admirar a magnífica paisagem de serras e montes revestidos de pinhais, a ribeira do Codes, a albufeira da Barragem do Castelo do Bode e algumas casas das povoações limítrofes.

A “Bicha Pintada”, localizada abaixo do miradouro do Penedo Furado, é um fóssil que, segundo alguns estudiosos, se crê que tenha mais de 480 milhões de anos. Este tipo de estrutura é interpretada como tendo sulcos produzidos pela atividade de alimentação e deslocação de trilobites num fundo arenoso.

Próximo deste local existe o Miradouro das Fragas do Rabadão, onde existe uma via-sacra e um pequeno santuário, de onde se pode apreciar a paisagem até à Albufeira de Castelo de Bode e onde se inicia um trilho confluente com o trilho do miradouro anterior, com ligação à "Bicha Pintada".

Localização: Vila de Rei
Distância: 532 mts
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Praia Fluvial do Penedo Furado

 

PASSADIÇO DAS FRAGAS DE SIMÃO

O Passadiço das Fragas de São Simão tem sensivelmente 2 km e liga a Aldeia de Xisto de Casal de São Simão ao altaneiro Miradouro das Fragas de São Simão, passando pela deslumbrante Praia Fluvial das Fragas de São Simão.

As fragas de São Simão têm uma série de encantos para explorar. Um verdadeiro paraíso em Figueiró dos Vinhos, que conta agora com um imponente passadiço. Cravadas no coração de uma das fantásticas aldeias do xisto, as fragas de São Simão constituem um paraíso natural que todos os anos vai conquistando adeptos. Agora, para que a experiência seja ainda mais completa, foi inaugurado um espetacular passadiço que convida a uma caminhada entre o verde da vegetação e a dureza das pedras.

Contudo, nas imediações há muito para ver e fazer. Além dos desportos radicais que pode fazer junto às fragas de São Simão, há trilhos pedestres para percorrer e património local para descobrir. Usufrua da Natureza no seu estado mais puro. A paisagem é verdejante, marcada pelos loureiros e sobreiros que dão à serra um aroma único. Há um miradouro através do qual é possível admirar os mais belos cenários envolventes.

Os passadiços, facilitam o acesso à fantástica praia fluvial das Fragas de São Simão, que convida a um dia bem passado no meio da natureza. Pela beleza natural envolvente, em frente à Aldeia do Xisto de Casal de São Simão, este passa a ser um destino de visita obrigatória para quem visita a região.

Localização: Figueiró dos Vinhos
Distância: 2 Km
Dificuldade Técnica: Moderada
Local de Partida / Chegada: Casal de São Simão / Miradouro Fragas de São Simão

 

PASSADIÇOS DO ORVALHO

No coração da Beira Baixa, em pleno Geopark Naturtejo, esconde-se um dos mais recentes passadiços de Portugal. Estamos a falar-lhe dos Passadiços do Orvalho, a nova estrela do concelho de Oleiros. Estes soberbos passadiços estão inseridos no PR3 GeoRota do Orvalho e não só permitem conhecer uma série de geomonumentos classificados pela UNESCO, como sejam a Cascata da Fraga de Água d´Alta e o Cabeço do Mosqueiro, como ainda brindam o caminhante com algumas das paisagens mais esmagadoras e icónicas da Beira Baixa.

A GeoRota do Orvalho conta com cerca de 9 km de extensão, no entanto os novos Passadiços do Orvalho só foram construídos em pontos fulcrais da GeoRota do Orvalho, de forma a tornar viável a passagem por zonas do trilho mais exigentes e, assim, permitir a um número mais alargado de pessoas o acesso aos idílicos locais naturais por onde o percurso passa. Parte do percurso faz-se por pequenos trilhos e veredas ao longo do curso do ribeiro de Água de Alta, onde podemos observar diveras espécias de plantas e árvores, olhados, azereiro e amieiros.

O lugar mais famoso é sem dúvida a Cascata da Fraga de Água d’Alta, que é a grande atração, principalmente no Verão. Com mais de 30 metros, é a maior cascata da Beira Baixa.

No topo do Penedo das Sardas, a mais de 600 metros de altitude, e a 300 m acima da Garganta do Zêzere, situa-se o Miradouro do Mosqueiro, de onde temos as melhores vistas para o Orvalho e toda a paisagem circundante. Existe parque de estacioanmento, mesas e grelhadores para o repasto merecido depois da caminhada.

Localização: Oleiros
Distância: 9 km
Dificuldade Técnica: Alta
Local de Partida/Chegada: Miradouro do Cabeço Mosqueiro / Cascata Fraga de Água d’Alta

 

PASSADIÇO DA RIBEIRA DE QUELHAS (brevemente)

Os passadiços estão na moda em Portugal e a Serra da Lousã não quer ser excepção. Há um novo passadiço para descobrir este verão, entre lagoas e quedas de água, prometem ser a nova sensação para quem gosta de caminhar, um novo passadiço planeado para abrir em Julho 2020.

A Ribeira de Quelhas há muito que é conhecida na região, especialmente pelos ultra-runners e amantes de trilhos de montanha, mas agora promete ser mais democrática e estar ao alcance de todos, mesmo aqueles que não têm experiência de montanha. 

 

PASSADIÇO DO MONDEGO (2021)

Mondego vai ter 11 quilómetros de passadiços ao longo do rio numa paisagem única. Pode levar até sete horas a fazer o percurso por margens, montes e pontes suspensas. As obras já arrancaram.
A autarquia da Guarda explicou que o projeto deverá estar concluído “no prazo de um ano e meio ou, no máximo, de dois anos”.

O projeto prevê um itinerário pelas margens do rio Mondego de cerca de 11 quilómetros e que passará por Videmonte, Trinta e Vila Soeiro, terminando na Barragem do Caldeirão.

De acordo com a autarquia, os passadiços vão aproveitar aproveitando caminhos já existentes e integrar zonas de travessia, passadiços e de pontes suspensas, Vai poder visitar zonas como o Miradouro do Mocho Real, as antigas fábricas de lanifícios e de produção de eletricidade, entre outros locais, beneficiando as freguesias de Videmonte, Maçainhas, Meios, Aldeia Viçosa e as Uniões de freguesia de Trinta e Corujeira e Mizarela, Pero Soares e Vila Soeiro.

PASSADIÇO DO GAMEIRO

É mais uma atração e complemento ao Parque de Campismo, Fluviário e á praia fluvial em que oferece um percurso muito bonito principalmente na primavera nas margens do Rio Raia.

A Praia Fluvial do Gameiro situa-se no Parque Ecológico do Gameiro bem perto do Fluviário de Mora. O Açude do Gameiro, no Rio Raia originou esta maravilhosa zona de banhos. Este parque ecológico é um ponto de interesse do concelho devido à variedade de atrações e das infraestruturas disponíveis. As infraestruturas existentes são o parque de campismo, um parque de merendas, o Fluviário de Mora, Parque Arborismo onde toda a zona destina-se à pratica de atividades radicais. A pensar nos mais novos possui um parque infantil e ainda um café com uma fantástica esplanada. Existe ainda o Centro de Interpretação Ambiental.

O local mais atrativo, o belíssimo passadiço em madeira, conhecido como Passadiço do Parque Ecológico do Gameiro. Toda a sua construção é em madeira e tem uma extensão de 1,5 quilómetros. É uma paisagem absolutamente incrível sobre o Rio Raia. Todo o percurso tem a informação sobre as árvores, arbustos e flores ali existentes.

Para os amantes da natureza sem dúvida que este local é o ideal para passar agradáveis dias de verão. A flora ribeirinha é caracterizada por choupos e salgueiros. Nas margens da Ribeira da Raia existem anfíbios a alguns peixes. Na zona do trilho é notável a presença de pinheiros e sobreiros.

Localização: Mora
Distância: 1,5 Km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Parque Ecológico do Gameiro

 

PASSADIÇOS DE ALVOR

Com 6 km de extensão, este é o maior passadiço do Algarve. O percurso liga a Praia dos Três Irmãos à Ria de Alvor, por isso poderá apreciar a beleza do estuário da Ria e das dunas sem provocar um impacto negativo na natureza.

Entre a Praia dos Três Irmãos e o pontão da Praia do Alvor os passadiços seguem sempre junto ao mar, ao longo do cordão dunar, e brindam o caminhante com lindas vistas sobre o mar e as ondulantes dunas. Uma vez na Ria de Alvor os passadiços percorrem uma miríade de dunas, pequenas praias e sapais, premiando o visitante com vistas soberbas sobre esta maravilha natural. Reserve tempo para observação das largas dezenas de espécies de aves que fazem da Ria de Alvor a sua casa.

O caminho é longo mas considerado fácil por não ter subidas nem descidas. Os passadiços permitem ainda o acesso à praia de pessoas com mobilidade reduzida.

Localização: Portimão
Distância: 6 Km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Praia dos Três Irmãos

 

PASSADIÇO DE MANTA ROTA E DA LOTA

Entre as praias da Manta Rota e da Lota, estende-se o maior passadiço pedonal do sotavento algarvio. Mais de dois quilómetros de caminhada, sempre com o Atlântico por companhia.
Inaugurado no ano passado, o corredor de madeira liga as praias de Manta Rota e da Lota, numa extensão superior a dois quilómetros, sempre paralela ao Atlântico e bastante convidativa para longos passeios junto ao mar.

O percurso, que integra diversas zonas de lazer e descanso, prolonga-se desde a zona nascente da Manta Rota até à foz da Ribeira do Álamo, já no areal da Lota, na fronteira com o vizinho concelho de Castro Marim. Além de interligar as duas zonas balneares, sem a necessidade de recurso a viaturas motorizadas, a estrutura, em madeira e sobrelevada em grande parte do percurso, tem como principal objetivo proteger cordão do dunar, permitindo, ao mesmo tempo, o acesso às zonas menos concorridas deste longo areal – um pormenor, também ele, de grande importância, especialmente nesta altura do ano.

Além das praias, com areais a perder de vista, esta zona do Algarve é também um verdadeiro paraíso para a observação de aves, atividade com cada vez mais adeptos na região, que com a construção deste passadiço passam a usufruir de melhores condições para a praticarem.

Localização: Vila Rela santo António
Distância: 2 Km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Praia de Manta Rota

 

PASSADIÇO DO CARVOEIRO

O passadiço de madeira pelo litoral, que liga o Algar Seco à capela e forte de Nossa Senhora da Encarnação, em Carvoeiro, é outros dos passadiços em destaque no Algarve. Está a funcionar desde 2014 e tem uma estrutura de 570 metros. Desde abril, que já tem 114 luminárias LED, o que o torna uma ótima opção para os corredores ou visitantes que preferem percorrer o passadiço à noite.

Ao percorrer o Passadiço de Carvoeiro na costa alta e escarpada que rodeia a vila pode desfrutar de deslumbrantes vistas das lindas praias da região sob um céu azulado, e ainda observar as várias grutas que existem na área.

Localização: Lagoa
Distância: 570 mts
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Carvoeiro

 

PASSADIÇOS DA CRESMINA

Rodeados de mar e serra, os Passadiços da Cresmina, encontram-se inseridos no Parque Natural de Sintra-Cascais, e é aqui que o barulho do mar e a tranquilidade da paisagem embalam os sentidos.

As Dunas da Cresmina, situadas a Norte da Praia do Guincho, em direcção à Areia, são uma das peças mais importantes do património natural e paisagístico de Cascais. Repletas com um conjunto de espécies vegetais únicas, com peças que já são raras na natureza, as dunas possuem um enquadramento cenográfico de grande impacto, enquadrando o imenso areal do Guincho no sinuoso percurso do Vale da Foz e tendo como pano-de-fundo a Serra de Sintra e o Cabo da Roca.

Com cerca de 2,5 quilómetros, estes passadiços em madeira permitem-nos descobrir a beleza e a biodiversidade da Duna da Cresmina, entre a zona da Areia e a Praia do Guincho. Um bom ponto de partida para os vários percursos é o Núcleo de Interpretação da Duna da Cresmina, onde os visitantes ficam a conhecer este sistema singular, onde plantas como a raiz-divina e a sabina-das-praias vivem em harmonia com insetos, répteis e aves.

Localização: Cascais
Distância: 2,5 km
Dificuldade Técnica: Baixa
Local de Partida / Chegada: Praia do Guincho