My Best Hotel
Hoteis Turismo Rural Alojamento Local Hostels Campismo Atividades Restaurantes A Visitar Promoções

Ofertas Especiais

Locais a visitar » ALJEZUR, o coração da Costa Vicentina!

ALJEZUR, o coração da Costa Vicentina!

ALJEZUR, O CORAÇÃO DA COSTA VICENTINA

No coração da Costa Vicentina, Aljezur distingue-se entre os melhores destinos europeus para o Turismo de Natureza. Com paisagens deslumbrantes, entre a serra e o mar, que abrigam diferentes habitats naturais e uma elevada biodiversidade, uma costa que alberga das melhores praias de Portugal e um património geológico, faunístico e florístico de elevado valor científico, Aljezur desperta emoções.

A par de um património natural arrebatador, o acervo cultural de Aljezur é extraordinariamente rico e diverso. Desde a arquitectura tradicional, às igrejas dignas de uma visita atenta, aos museus e núcleos museológicos que retratam fielmente a vida de outrora destas gentes, aos mais marcantes vestígios arqueológicos que atestam a importância deste território desde tempos pré-históricos, passando pelas preciosidades gastronómicas e os excelentes produtos locais.

Terra de peixe e de carne abundante, assim como de ricos produtos hortícolas, é impossível resistir à batata-doce de Aljezur (IGP), que merece honras num dos melhores festivais gastronómicos da região algarvia, o Festival da Batata-doce de Aljezur. Maravilhosos sargos, douradas e robalos cozidos ou grelhados no carvão, papas mouras com “piques”, a couvada ou o feijão com batata-doce, o polvo de molho ou em saladas, os excelentes percebes e mexilhão da Costa Vicentina, a moreia frita e os enchidos, constituem pratos e petiscos bastante procurados. Não esquecendo a famosa doçaria, à base do principal produto local: bolo, torta, pudim ou pastéis de batata-doce e os fritos de Aljezur, entre outras iguarias, combinadas com uma aromática aguardente de medronho, produzida há séculos nesta região do país, fazem as delícias de muitos que aqui se deslocam para as apreciarem. Saberes e sabores divinos, de facto!

Aljezur, um tesouro natural e cultural para partilhar, todo o ano.

 

LOCAIS A VISITAR

Castelo de Aljezur
Este castelo mourisco datado do século X foi construído para guardar o antigo porto fluvial que servia outrora de acesso ao mar, e foi uma das últimas fortalezas mouriscas do Algarve a ser capturada durante a reconquista cristã no século XIII. Duas torres, as muralhas e uma cisterna ainda se mantêm na sua posição cimeira na colina, oferecendo fabulosas vistas panorâmicas dos espaços envolventes.

Igreja da Misericórdia
Situada no centro histórico, esta igreja original do século XVI foi reconstruída no século XVIII após o sismo de 1755. Ainda mantêm a sua porta renascentista.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Alva / Igreja Nova 
Esta igreja do século XVIII foi construída por ordem do Bispo do Algarve para substituir a igreja paroquial original que foi destruída no sismo de 1755. No interior destaca-se a estátua de Nossa Senhora de Alva – padroeira de Aljezur –, por detrás do altar-mor, a pia baptismal manuelina do século XVI e duas estátuas do século XVII nas capelas laterais, originárias do Mosteiro de Nossa Senhora do Desterro, em Monchique.

Museu Municipal
Situado no edifício da antiga câmara municipal do século XIX, este museu expõe obras de arte, vestígios arqueológicos descobertos na região e uma secção etnográfica contendo exemplares de alfaias agrícolas e uma reconstituição do interior de uma casa tradicional de Aljezur.

Museu de Arte Sacra Monsenhor Manuel Francisco Pardal
Anexa à Igreja da Misericórdia, este museu tem o nome de um importante patrono de Aljezur e exibe uma excelente colecção de arte sacra.

Casa Museu Pintor José Cercas
Este museu contém diversas antiguidades e obras de arte pertencentes ao artista local José Cercas, doadas ao município após a sua morte.

Ribât de Arrifana
Situada no cimo das falésias da Ponta da Atalaia e com excelentes vistas panorâmicas sobre a costa, esta fortaleza mourisca do século XII é uma das maiores da Península Ibérica. Foi construída com fins defensivos e religiosos, e as escavações revelaram a existência de várias mesquitas, um minarete e um muro de orações na direcção de Meca.

Povoado Islâmico Sazonal de Pescadores
Os vestígios deste povoado piscatório mourisco do século XII podem ver-se na Ponta do Castelo, perto da Carrapateira. Foram descobertos diversos instrumentos de pesca, cerâmica e vestígios de peixes e animais.

Necrópole de Corte Cabreira
Crê-se que os sepulcros datados da Idade do Bronze junto à vila de Aljezur remontam a 1800 a.C. A maioria dos objectos encontrados no local está patente no Museu Municipal.

Arqueologia
Por todo o território de Aljezur existem vários locais arqueológicos de grande interesse histórico. Destaca-se o Rîbat da Arrifana (convento-fortaleza do séc. XII) na Ponta da Atalaia, onde consta que ali viveu, em meditação a Alá, o príncipe árabe Ibn Casi. O local é um magnífico miradouro da Costa Vicentina, de onde se podem observar imponentes falésias e praias isoladas.

Mais a sul, na Carrapateira, a descoberta do sítio arqueológico da Ponta do Castelo tem vindo a revelar a existência de um povoado muçulmano de pescadores (séc. XII).
Próximo da vila de Aljezur, para o interior, existe a necrópole da Idade do Bronze (1800 a.C.) de Corte Cabreira.

 

ALJEZUR TODO O ANO...

Aninhado nas colinas do noroeste do Algarve, Aljezur representa o Algarve intocado, uma zona de belas paisagens naturais onde os burros trabalham a terra, os chocalhos das vacas animam as planícies e onde algumas das melhores praias de Portugal esperam por si.

Situada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina – uma área natural protegida que se estende na costa oeste do Algarve –, Aljezur é uma vila agrícola nas férteis planícies que delimitam o rio Aljezur. As ruínas do castelo mourisco do século X dominam o centro histórico da vila e oferecem vistas panorâmicas dos sobreirais, das florestas das redondezas, dos campos com flores silvestres e do mar, no horizonte. A zona histórica que se estende pela encosta oferece uma vista pitoresca – ruelas calcetadas, com casas caiadas e os típicos vãos coloridos em volta das janelas. A parte mais recente da vila foi construída no século XVIII para acolher a população após a destruição causada pelo sismo de 1755 e encontra-se na outra margem do rio.

Fora da vila, é difícil decidir quais os melhores locais a visitar: o interior ou a costa. Os percursos pela natureza, os passeios de bicicleta pela montanha e os passeios de burro ou a cavalo pelas colinas são uma oportunidade fantástica para admirar os javalis, raposas e os texugos no seu habitat natural, enquanto a costa de Aljezur com mais de 40 km de extensão é um tesouro repleto de vida marinha, inúmeras espécies de aves autóctones e migratórias, e belíssimas praias imaculadas e tranquilos vales fluviais.

A Costa Vicentina, nome pelo qual é conhecida a costa sudoeste, contém algumas das praias mais intocadas do país, muitas das quais com amplas extensões de dunas de areia flanqueadas por altas falésias e sem qualquer tipo de construção. 

A dimensão das vagas de ondas nas praias de Arrifana e Praia do Amado atrai os surfistas e praticantes de bodyboard, enquanto OdeceixeBordeira e Amoreira se situam na foz dos rios, tornando-as mais apelativas para as famílias, que podem optar por nadar no mar ou no rio. As lagoas naturais também fazem destas praias um local favorito para as crianças. Em Odeceixe, poderá alugar canoas para passeios panorâmicos rio acima, enquanto na Amoreira, a mudança da paisagem – das dunas para os alagadiços do estuário – oferece um mundo natural totalmente novo habitado por guarda-rios, lontras e garças-reais. A gruta da Praia das Adregas, a sul de Odeceixe, é uma praia para naturistas.

Numa zona igualmente dependente da terra e do mar, não é de surpreender que os frutos de ambos façam parte da sua gastronomia. Aljezur é o maior produtor de batata-doce de Portugal, por isso este legume está presente nas suas sopas, cozidos, pastelaria e tem até um festival em sua honra – o Festival da Batata-Doce, realizado no mês de Outubro. O mar traz outras delícias regionais: os percebes que abundam nas rochas batidas pela ondulação e que são colhidos pelos intrépidos pescadores locais. O peixe fresco grelhado e a ampla selecção de marisco, incluindo mexilhões, ouriços-do-mar e caranguejos compõem as deliciosas caldeiradas de marisco.

 

ACTIVIDADES

Paraíso dos pescadores desportivos, desejosos de capturar pesados peixes, toda a costa do concelho de Aljezur é um pesqueiro. Aqui, capturam-se ao sabor das marés os grandes pargos, sargos, corvinas, douradas, congros, robalos, besugos e muitos outros peixes que fazem parte das histórias contadas ao anoitecer, entre amigos, na companhia de um copo de vinho da região.

A Baía dos Tiros, Samouqueira, Esteveira, Vale dos Homens, Carriagem, Pipa, Fonte Santa, Atalaia, Canal, Vale Figueiras, Bordeira, Pontal e Amado são alguns dos pesqueiros mais famosos.
Os surfistas e praticantes de bodyboard têm nas praias de Aljezur as suas ondas preferidas para passarem horas percorrendo o dorso das vagas.

Também os amantes da natureza têm aqui o sítio ideal para a prática de BTT e do pedestrianismo, duas actividades que permitem ao visitante explorar a riquíssima diversidade e o encanto destas paragens.

GUIA DE PRAIAS

Inserido na Costa Vicentina, o concelho de Aljezur, com uma orla costeira com mais de 40 Km de extensão, apresenta um clima mediterrânico com influência marítima e uma temperatura média mensal que varia entre os 6º C, o mínimo do mês mais frio e os 29ºC, máximo do mês mais quente. A precipitação média anual é de 400 a 500 mm e a insolação de 2800 a 3000 horas anuais. Predominam os ventos de NW e de N.

As praias rodeadas pelo perfil serrilhado de altas arribas xistosas, ora prolongam-se terra adentro em dunas extensas ora são conchas de areia dourada ladeadas pelas rochas negras altaneiras. Nesta costa poderá assistir a um magnífico pôr-do-sol.
Paraíso dos pescadores, dos surfistas e praticantes de Bodyboard, assim como dos amantes da natureza, também famílias com crianças podem aqui desfrutar de umas agradáveis e tranquilas férias.

Praia do Canal
Localizada imediatamente a sul da Praia da Arrifana, possui uma vista privilegiada sobre a Pedra da Agulha, qual estátua negra e gigantesca no meio do mar.Desenvolve-se na confluência de um vale com uma linha de água efémera marginada por vegetação endémica, sendo considerada uma das praias mais selvagens da Costa Vicentina. Constituída essencialmente por calhaus rolados, na baixa-mar descobre-se, a sul, uma língua de areal que a liga às praias do Penedo e Vale Figueiras.O acesso algo difícil, por estrada de terra batida a partir de Arrifana e de Vales, ou ainda a partir de Alfambras, é compensado pelo cenário surpreendente proporcionado pela magnífica paisagem deste local.

Praia da Carriagem
Com pouco areal e, em sua substituição, cascalho, exibe interessantes formações rochosas. No extremo norte da praia, aquando da maré baixa, é possível observar-se um curioso anfiteatro natural talhado em xisto. Muito procurada por pescadores, é também excelente para um diferente passeio à beira mar, oferecendo um cenário magnífico.

Praia da Samoqueira e da Barradinha
Pequenas praias rochosas, essencialmente de calhau, zonas de pescadores e mariscadores. Ideais para a observação da natureza, designadamente, aqui é possível observarem-se poças de maré, na baixa-mar, onde se encontram diversos organismos marinhos, como ouriços, burgaus, lapas, mexilhão e, nas rochas mais distantes, durante a baixa-mar na zona intertidal, os famosos percebes.Na Samouqueira é evidente o desprendimento da arriba, existindo mesmo um fosso fundo, pelo que se aconselha evitar toda a faixa junto à arriba.

Praia da Adegas
A Sul da Praia de Odeceixe há uma segunda enseada, unicamente acessível na maré baixa. Trata-se da Praia das Adegas, praia de naturismo oficial. Na maré alta, o único acesso é através de caminho pedonal que desce a falésia.

Praia da Bordeira
Constituindo-se como a praia mais extensa do concelho de Aljezur, com um areal de cerca de 3 km, a Praia da Bordeira situa-se a norte da Carrapateira, junto à foz da Ribeira da Bordeira, daí o seu nome. Tem uma elevada qualidade paisagística, conferida, quer pelas altas arribas que a limitam nas extremidades norte (xisto) e sul (formações rochosas do Jurássico), quer pelos arenitos de Silves, quer ainda a nascente pela ribeira da Bordeira e pelo sistema dunar. Bastante dinâmico, este sistema resulta dos fortes ventos do quadrante noroeste e está muito bem preservado no que se refere aos diferentes habitats que se desenvolvem ao longo dos diferentes níveis dunares. Observa-se na duna primária uma comunidade considerável de Tammophila arenaria, que desempenha um papel fundamental na fixação das areias. O último nível dunar, constituído por dunas terciárias, é habitat prioritário caracterizado pela presença de várias espécies arbustivas, das quais se destacam os Thymus e a Armeria.Esta, é uma praia muito procurada para a prática de desportos náuticos, nomeadamente o kitesurf, devido à constância e intensidade dos ventos dominantes e à formação das ondas.

Praia Vale dos Homens
Situa-se perto da localidade de Rogil, sede de freguesia. Uma verdadeira pérola de beleza natural e de completa tranquilidade. Delimitada por altas arribas de xisto, é uma praia ampla, uma excelente opção para quem prefere o sossego e o isolamento, ideal para os amantes da natureza. O cheiro a esteva é aqui intenso e a partir da praia é possível subir, durante algumas dezenas de metros, o Barranco de Vale dos Homens, vale rasgado na rocha com uma pequena e límpida linha de água. A disposição dos rochedos no mar propicia banhos tranquilos na baixa-mar, assim como a observação de poças de maré, habitat temporário de pequenos peixes costeiros, como sargos, robalos ou linguados juvenis e diversos organismos marinhos, como anémonas, mexilhões, lapas, burriés, ouriços-do-mar, estrelas-do-mar, camarões ou caranguejos.O acesso ao areal faz-se através de uma enorme escadaria em madeira, que proporciona, ao mesmo tempo, uma vista fantástica sobre esta praia.

 

Praia do Amado
É a praia mais a sul do concelho de Aljezur e localiza-se perto da aldeia da Carrapateira. Apresenta um extenso areal delimitado a sul e a norte por altas arribas que entram pelo mar. No limite norte desta praia surge o Pontal da Carrapateira, uma plataforma rochosa de elevado valor ambiental, apresentando habitats prioritários para a conservação da natureza a nível europeu. Além da qualidade cénica, a Praia do Amado é muito rica do ponto de vista geológico, verificando-se rochas sedimentares, metamórficas e de origem vulcânica (xistos, calcários, doleritos). Considerada uma das melhores praias portuguesas para o surf, é um dos principais spots da Europa para esta modalidade desportiva.Tendo em conta as características da plataforma continental, aliando-se às características da ondulação e dos ventos dominantes, esta praia propicia ondas ideais. Palco de diversas competições nacionais e internacionais é muito popular ao longo do ano, pois nem só os mais experientes aqui vêm. Várias são as empresas de animação turística e escolas de surf e bodyboard que aqui ensinam a praticar estas modalidades, com uma oferta variada de aulas e programas de férias, usufruindo das excelentes condições naturais que esta costa encerra.

Praia Vale das Figueiras
Situada na zona das Alfambras (zona de povoamento disperso a meio caminho entre Aljezur e a Carrapateira), o acesso à Praia de Vale Figueira faz-se por troços de estrada de alcatrão e de terra batida ao longo de cerca de 5 km. Ainda pouco explorada pela presença humana, é de uma beleza ímpar, ideal para os amantes da natureza em estado puro.O tipo de paisagem costeira formada por montes de formas arredondadas e baixa altitude que circundam um vale, terminando suavemente na areia, altera-se nos seus limites norte e sul pela presença das arribas xistosas. Composta por um vasto areal, na baixa-mar tem ligação à Praia do Penedo, a norte, esta frequentada por pescadores. As duas juntas formam certamente um areal com mais de 3 km de extensão.

 

Praia da Amoreira
Próxima da vila de Aljezur, a Praia da Amoreira beneficia de duas realidades: a praia marítima propriamente dita e a foz da ribeira de Aljezur. Desta confluência resulta um sistema estuarino-lagunar de grande beleza natural. Com a baixa-mar a paisagem é arrebatadora, pondo a descoberto formações rochosas e extensas lagoas no areal. Na continuidade do vasto areal, para o interior, observa-se um extenso campo dunar, que localmente é conhecido pelos “medos da Amoreira”, evoluindo depois para um habitat de sapal. Duas visões imponentes marcam a paisagem: no limite norte, a arriba talhada em xisto e grauvaques apresenta uma forma curiosa, lembrando um gigante deitado sobre o mar; a sul, na encosta verdejante do vale, afloram impressionantes formações rochosas, vestígios duma antiga duna, agora fossilizada. A ponta sul desta praia é ainda um local privilegiado para a pesca à linha, localmente conhecida pela rocha do “treme-treme”.Na zona ocorrem diversas espécies de flora de elevado valor, como é o caso do endemismo lusitano Biscutella vicentina, e habitats prioritários para conservação da natureza, como as dunas fixas com vegetação herbácea (“dunas cinzentas”), dunas litorais com Juniperus spp., dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ullicetea) e dunas com florestas de Pinus pineae ou Pinus pinaster.

 

Praia Monte Clérigo
Localizada a sul da Praia da Amoreira, tem um vasto areal para norte e uma interessante plataforma rochosa no extremo sul, onde na baixa-mar se podem observar poças de maré com diversos organismos marinhos, como anémonas, actínias, pequenas medusas, burriés, mexilhões, lapas, ouriços-do-mar, estrelas-do-mar, camarões e caranguejos. As poças são ainda o habitat de pequenos peixes como os cabozes e os blénios, ou o habitat temporário de pequenos peixes costeiros, como linguados, sargos e robalos juvenis, que aqui procuram refúgio e alimento. Estes pequenos peixes constituem o alimento de aves marinhas como as gaivotas e os pilritos ou mesmo garças e guarda-rios, que diariamente visitam as poças de maré com esse intuito.São características ainda desta praia os imponentes recortes das arribas em xisto e grauvaques, nomeadamente a Ponta da Rocha e o Penduradouro. Para o interior encontram-se imponentes campos dunares, que ladeiam um bonito vale associado a uma linha de água, só existente no inverno. A descida para a praia proporciona uma fabulosa vista panorâmica, sobressaindo na encosta o pequeno núcleo de casinhas típicas de veraneio

 

Praia de Odeceixe
Classificada como uma das 7 Maravilhas – Praias de Portugal, a praia de Odeceixe, localizada no extremo norte do concelho de Aljezur, tem a particularidade de conter uma praia fluvial, pois é limitada a nascente e a norte pela Ribeira de Seixe, que faz fronteira natural com o Alentejo. Tem por isso banhos de mar e de rio. A ribeira, que integra a maior bacia hidrográfica deste concelho, condiciona a dinâmica daquela praia, não só pela quantidade de sedimentos que a “alimenta”, como também pela energia das cheias, que em períodos muito chuvosos pode condicionar a forma e a dimensão desta praia.A Praia de Odeceixe insere-se assim na extremidade de um vale dominado por esta ribeira, culminando encaixada entre altaneiras arribas de xisto e grauvaques, característicos desta região. A praia apresenta uma elevada qualidade paisagística e biodiversidade, podendo desfrutar-se de uma paisagem de rara e enorme beleza do topo das arribas. Estas constituem habitat privilegiado para a avifauna, proporcionando excelentes condições para a observação de aves, como a cegonha branca, o falcão-peregrino ou a gralha-de-bico-vermelho. É de facto neste Parque Natural, o único local do mundo onde é possível observar-se as cegonhas que nidificam nos rochedos marítimos.

 

Praia de Arrifana
Localizada na pequena povoação piscatória da Arrifana, esta praia insere-se numa zona de elevada importância ecológica e rara beleza natural, desenvolvendo-se num areal com mais de meio quilómetro de extensão. Protegida por altas arribas xistosas, forma uma espécie de pequena baía, sendo por isso a praia menos batida pelo vento e pela forte rebentação das ondas.No topo sul desta praia marca presença uma negra e enorme rocha vertical no mar, a fazer lembrar uma estátua gigantesca, aqui denominada de “Pedra da Agulha”, que se tornou um ícone da costa sudoeste.Nas arribas que envolvem a praia, encontram-se habitats prioritários, como formações de Cistus palhinhae em charneca marítima, espécie de flora com estatuto de ameaça vulnerável e endemismo ibérico. Estas arribas constituem também zona de nidificação para diversas espécies de avifauna, sendo uma das espécies mais comuns a Cegonha-branca (Ciconia ciconia). Em situação única no mundo, é aqui que encontramos os seus ninhos sobre as arribas marítimas ou em rochedos junto à costa - os palheirões.

A norte da praia, junto à Fortaleza da Arrifana desfruta-se das mais belas panorâmicas da Costa Vicentina. Mais a norte, na Ponta da Atalaia, famosa pelos seus percebes, existem vestígios do maior Ribat muçulmano da Península Ibérica, um convento-fortaleza de grande valor arqueológico.É considerada excelente para a prática de desportos náuticos, como o mergulho, o surf ou o bodyboard, sendo muito procurada para a prática destas duas últimas modalidades. A época do surf começa assim que termina a época estival, tornando-se num paraíso para os surfistas. Na povoação da Arrifana, que se desenvolve ao longo da encosta, existem apoios como restaurantes e cafés, onde é possível degustar a gastronomia local, onde o peixe sempre fresco está presente, assim como os mariscos desta costa, como os tão apreciados percebes.

GASTRONOMIA & ARTESANTO

O concelho de Aljezur é rico em peixe (sargos, douradas, robalos) e marisco (desde os ouriços às lapas, sem esquecer o mexilhão e os tão apreciados perceves), bem como em caça (coelho, javali), em produtos da terra (principalmente a afamada batata-doce e o feijão) e as comidas da morte-de-porco. Daí que a gastronomia desta região seja baseada nestes produtos. Feijão ou couvada com batata-docepapas mouras com “piques”arroz de mexilhãofeijoada de búziossargosdouradas ou robalos cozidos ou grelhados no carvãopercevesmexilhãomorcela frita, entre outros, fazem as delícias da gastronomia aljezurense, que pode ser apreciada nos bons restaurantes concelhios.

Como sobremesa destacam-se os pastéis, o bolo e o pudim de batata-doce, e os fritos, cobertos de uma calda de açúcar ou mel, também este um produto local.
O amendoim, cultivado com grande expressão na freguesia de Rogil, é um aperitivo bastante apreciado e de excelente qualidade.

Receitas locais

 

Artesanato
O concelho de Aljezur ainda tem artesãos que produzem a típica cestaria e as pitorescas colheres de madeira, que recordam os tempos da vida rural. Fica a memória da velha tradição das cadeiras em tabua, utilizadas em todas as casas. As mulheres continuam a produzir colchas e naperons de renda, assim como bolsas, mantas e tapetes de trapos, utilizando antigos padrões. A cerâmica é uma actividade artesanal em franca progressão, na qual se destacam alguns artesãos que produzem trabalhos de grande qualidade. Igualmente, os trabalhos em gesso, reproduzindo candeeiros executados em jeito de chaminés algarvias, com uma notória influência árabe, os quais são utilizados quer no interior e no exterior das habitações.